Saturday, January 26, 2008

ASSOMADA


Monte conhecido por Marques de
Pombal
O Portãozinho, muito falado em Assomada








1. A antiga Vila de Assomada, elevada à categoria de Cidade no dia 13 de Maio de 2001, é sede do Concelho de Santa Catarina desde a sua criação em 1912. Teve, de então para cá um grande percurso na transformação para o sucesso, pois de simples casebres existentes passou a ostentar prédios que faz cobiça a qualquer um. Isso tudo num lapso de tempo que medeiam apenas uns 90 anos. Digo 90 anos só, porque esse tempo referindo-se a um agregado populacional é relativamente pouco, ou mesmo muito insignificante para acontecer um sucesso daquele.

2. Como se disse, das simples casebres então existente, cujos alguns exemplares ainda hoje se apresentam, como pode ver se na rua ora a principal. Ao tempo as ruas principais eram outras, como sendo o Portãozinho onde iniciava a Avenida Santa Rita Vieira, o Cutelo, o Nhagar então muito dispersamente povoada, passou a ter prédios muito significantes compatíveis com outros de qualquer grande cidade.


AS PRIMEIRAS CASAS

3. As primeiras casas surgidas foram em Lém Vieira, onde o antigo proprietário João de Santa Rita Vieira, nascido nos órgãos num local que era conhecido por «Pau Preto» hoje Cerrado dos Órgãos, construiu a sua moradia, com vários compartimentos, sendo uns comerciais, outros armazéns, depósitos de conservação de cereais e legumes, cavalariças, garagem para carroças de bois e carruagem a cavalos. Construiu ainda outras moradias na Avenida para servir a futuros funcionários e prédios para alojar serviços públicos, como tribunal com sala para audiência, gabinetes para o Juiz e para escrivão, ainda espaço para servir de Paços de Concelho. Essas construções para as comunidades e para alojamento de entidades bem como para servir ao restante pessoal, tiveram seu inicio no começo do século XX. -

4. No encruzamento à direita da rua de quem vem da Praia e que segue para a zona do Cutelo e outra para o Nhagar, construiu então a sua falada casa comercial muito espaçosa e com boas divisões, sendo a parte de trás para escritório e armazém comercial. Essa casa hoje não existe. Em frente dela ele fez outra residência muito boa, também espaçosa, assim como no Cutelo onde ergueu mais moradias.


O PORTÃOZINHO E A CASA DE J.S.R.V.

5. Em Lém Vieira era a sua residência oficial propriamente, com um aglomerado de casas que visto ao longe, da Bolanha ou da Cruz dos Picos, parecia uma povoação. Era cercada em toda a sua extensão até ao seu limite por eucaliptos e bongavilhes tendo um portão (O Portãozinho) à entrada com as iniciais gravadas no mosaico do chão JSRV. Dali partia um caminho até as tais casariam distante cerca de quinhentos metros ladeados de roseirais com rosas floridas e pés de eucaliptos cujas copas se uniam em cima ficando uma autêntica cobertura natural. A seguir às árvores havia mata de cafeeiros que produzia anualmente muito café e no meio, em cada instante, surgia mangueiras, bem como outras árvores de frutas. Também havia um matagal de amoreiras que davam saborosas amoras e em cima daquilo viviam dezenas de pavões com os deliciosos cantos principalmente ao anoitecer. Foi assim que surgiu o célebre nome “Portãozinho”, ainda hoje existente, mas muito isolado do resto das coisas que lhe deu origem e que na sua maioria já não existem.


6. Na sua residência, para além dos cómodos habituais da família, existiam quartos para hóspedes que vinham de fora. Isso funcionava como uma pequena residencial. Havia também armazéns para produtos agrícolas, uma padaria que abastecia a região. Além disso, funcionava um conjunto de máquinas para o trabalho de sisal que era exportado para o exterior.

Lém Vieira dos pavões ornados,
Com seus cantos chilreantes
Das roseirais e das rosas
Com seus cheiros delirantes
Dos cafeeiros, dos eucaliptos
Com as suas sombras encantadoras
Das amoreiras e das mangueiras
Com seus frutos deliciosos
E do Portãozinho
Onde ele começava


VIABILIZAÇÃO DA SEDE DO CONCELHO EM ASSOMADA

7. O Sr. João de Santa Rita Vieira fez os prédios situados no «Portãozinho» com a intenção de atrair atenção das autoridades governativas da Praia, e assim viabilizar a transferência da sede do Conselho da Cruz de Cima ao pé da igreja matriz de Santa Catarina para a zona do Mato Engenho, hoje Cidade de Assomada. O terreno era um campo aberto e plano muito propicio para desenvolver uma zona habitada, do que no local onde funcionava a sede. Ofereceu os prédios gratuitamente para instalação do Tribunal e Paços do Concelho. A ideia de transferência foi aceite, mas o estado pagaria uma renda embora que simbólica. Ao local, onde se implantou a vila, foi atribuído o nome de uma das colinas que circunda a região, ou seja o monte de «Assomada».

8. A zona do Mato Engenho era quase toda propriedade rústica de sequeiro pertencente ao Sr. Santa Rita de maneira para instalação da vila, começou a dispor de terrenos promovendo assim o aparecimento de um aglomerado populacional. Desta forma passou a distribuir lotes de terreno a quem quisesse construir casas, ora vendendo ora cedendo-os gratuitamente às pessoas mais chegadas.

9. Assim, deu-se o inicio à criação espontânea da povoação, que logo começou com muito movimento comercial, a nível de mercado, às quartas-feiras e sábados, ficando a competir desde muito cedo com o mercado dos Órgãos, considerado ao tempo o maior centro comercial do interior de São Tiago. Este mercado funcionava aos domingos, mas a pedido da Igreja Católica passou para as segundas-feiras.


ESTRADA PRAIA – ASSOMADA – RIBEIRA DA BARCA
MOVIMENTAÇÃO NO PORTO DA R. DA BARCA

10. As estradas começaram a surgir entre a Praia e Assomada. Também entre esta e povoação da Ribeira da Barca um dos principais portos do Concelho. Da Ribeira da Barca escoavam nos grandes «Vapores» que ali se escalavam, com destino a Lisboa, muita purgueira que era utilizada na iluminação pública de Lisboa e na fabricação de sabão em Portugal. Ainda da Ribeira da Barca, era embarcado para outras ilhas, em barcos à vela, outras mercadorias destinadas à alimentação, como cereais e legumes, frutas frescas, etc. São Vicente era uma das principais ilhas, que consumia esses produtos.

MEIOS UTILIZADOS NO TRANSPORTE

11. A estrada entre Assomada e Praia, logo muito cedo passou a ter muita movimentação no transporte de mercadorias e de pessoal. Eram utilizados veículos motorizados como de tracção animal e outros tipos de veículos. Essencialmente para o transporte de carga, era só visto a grande utilização de burros no carreto de mercadorias; cavalos transportando lavradores, comerciantes; carros de bois, de cavalo e tudo quanto na época podia ser utilizado. No trajecto, havia algumas instalações com animais para servir de mudas durante o percurso. A par de tudo isso, havia ainda a movimentação a pé de vendedeiras rabidantes com o seu grande balaio à cabeça cheio de «negócios» dos mais diversos, palmilhando os 40 km que separa a Assomada da Capital.

OS PRIMEIROS VEICULOS AUTOMÓVEIS

12. Os automóveis de carga começaram a aparecer. Primeiro, foram da marca «Ford», apelidados de «Fordecos», que no trajecto Assomada Praia, apesar de pouca carga que levavam, mais ou menos 500 kg, quando chegassem numa rampa tiravam parte da carga cá em baixo, subiam com a outra metade deixavam na lá em cima e voltam para apanhar o resto. As viaturas não suportavam o peso de toda a carga de uma só vez, não só porque o motor era fraco, como também porque as estradas tinham uma inclinação fora de comum. Havia outros carros que eram apelidados de «Calca Bai Frocha Pára», dado que para andar carregava-se o pé num pedal e o carro andava, se tirasse ele parava.

13. A seguir a esse período, começaram a aparecer carros com melhor porte, para transporte de pessoas e carga. Foram essas camionetas de carga que iniciaram o transporte colectivo de passageiros para a Praia e outras localidades. Sr. Júlio Lubrano foi um dos pioneiros a aparecer nessa tarefa, com a sua camioneta de marca Internacional cor verde, seguiu-se lhe o irmão Sr. Luís Lubrano com outra viatura Internacional de cor vermelha. Faziam carreira entre a Assomada e Praia transportando passageiros e carga os quais estavam separados entre si por um taipal. Estabeleceram-se cada um, seu dia de semana para fazerem os seus fretes entre aquela localidade e a capital.


UM CARRO ESPECIAL

14. Em 1928, surgiu uma camioneta de Marca Republique com as características necessárias para funcionamento em território muito acidentado como é o da ilha de São Tiago. Essa viatura relativamente lenta em relação às outras em sítio plano, mas cheio de vigor e força quando trepava qualquer rampa dos que havia ao tempo. Por essa razão, e, porque também nunca lhe era diminuída a carga quando chegasse no sopé das ravinas, o povo admirava com o que via e o barulho possante do seu motor potente complementado com uma espécie de gemido que produzia ao subir, atribuíram-no como sendo de algo sobre natural e ainda mais, diziam que o carro tremia as pontes quando por elas passava, o que de facto não era a realidade.

ESTABELECIMENTOS DE CARREIRAS

15. Com o andar dos tempos, passou a ter diariamente um carro a fazer essa carreira, mas uma só vez ao dia, Assomada Praia e vice versa, isso continuou até meados dos anos cinquenta, quando apareceram os dois primeiros autocarros de cor amarela pertencentes à S.A.G.A., já com sede na Praia. Estes ficaram com a exclusividade de transportar passageiros e os camiões apenas com o transporte de carga.

16. Os carros de Assomada, eram facilmente reconhecidos na Praia, pois os seus pneus andavam sempre em bom estado e os da Praia traziam na sua maioria chapas de grandes remendos. Outra faceta que os identificavam, porque andavam sempre limpos e lavadinhos. O facto se resumia, porque ao tempo, os carros de Assomada eram conduzidos, salvo alguma excepção, pelos seus próprios donos, quando os da Praia pertenciam na sua maioria às empresas comerciais e conduzidos por condutores profissionais que não davam muita atenção a essa tarefa de limpeza.

MONTES E MONTANHAS



17. A cidade de Assomada fica num terreno de certo modo plano, rodeada por quatro montes principais, os que ficam a leste, o da «Figueira Finado» e o do «Gil Bispo», a oeste o do «Cumbem», a meio norte o da «Assomada», e, mais além por de trás deste os do «Monte Tiro» frente ao Nhagar, seguindo mais a frente o «Monte Viúva» que se ergue ladeado ao cemitério.

18. Para além destes montes que acabamos de apontar e que circundam o perímetro da cidade, existem outros que estão mais além e que se erguem majestosamente como as montanhas do «Pico de António» muito por detrás do «Cumbem» que começa nos Órgãos estendendo-se por toda a faixa oeste indo terminar depois das povoações de Palha Carga e Achada Grande percorrendo largos quilómetros antes de acabar, para de seguida surgir do lado oposto o Tomba Touro e por cima do Mato Sanches o imponente «Monte Birianda», estético terminando ao alto em bico o seu cume. Pelo lado norte, surge a bem conhecida «Serra da Malagueta» que desde sempre teve aí instalado um posto de Veterinária e de Silvicultura, passando também por ela a estrada que vai ter ao Tarrafal.

19. O alto da Serra tem boa visibilidade para apreciação das paisagens que as envolvem, tanto para quem estiver direccionado para Leste ou para Oeste, poderão ver as planícies em baixo. Mas nem sempre isso acontece, porque na época do Inverno ou nas suas a proximidades, fica envolvida pelo nevoeiro que cobre toda a parte superior as vertentes da montanha, imitando algo semelhante à Europa.
AS RIBEIRAS

20. A cidade de Assomada é um local de boa pluviosidade em comparação com outros locais da ilha, que não beneficiam deste bem da natureza. Assim, por este motivo nascem, ou começam dali quando chove, duas grandes ribeiras da ilha. Uma, delas vai desaguar em Santa Cruz no leste da ilha, passando pela Boaentrada, etc. e a outra em Aguas Velas no oeste próximo da povoação do Rincão. Coisa interessante é saber que ambas as ribeiras começam, por assim dizer, ao pé do mercado da Cidade, uma na porta principal e a outra na porta oposta. A primeira segue o itinerário Mercado, Museu de Tabanca, curvando-se para Bolanha onde vai entrar-se no leito da ribeira por detrás do Lém Vieira seguindo depois o seu curso. A segunda sai do Mercado virando a esquerda em direcção ao antigo Espinho Branco depois de Chã de Santo indo entrar no leito da ribeira seguindo o seu curso. É de notar que essas duas ribeiras, como são “extensas”, recebem águas de afluentes que têm outros inícios.

Continua numa das
Próximas oportunidade
Praia Março de 2007
Daniel Vieira

1 comment:

protown said...

So far, his is the best online account of Assomada's history which I've been able to find. I am looking forward to reading more from this author.